Português soma títulos no squash luxemburguês

0
299

Depois dos títulos em sub-15 e sub-17, Miguel Tojal conquistou agora o de sub-19. Mas pretende também marcar pontos a nível internacional.

“Para ser sincero, sabia que este título dificilmente poderia escapar-me. Treinei muito e preparei-me adequadamente para a conquista deste campeonato. Além disso, o meu principal adversário já é sénior, o que de certa forma acabou por facilitar as coisas”, resume Miguel Tojal, que se sagrou no sábado campeão do Luxemburgo de squash, na categoria de juniores (sub-19), prova disputada no pavilhão de Kockelscheuer. 
Depois dos títulos nacionais conquistados nos escalões de sub-15 e sub-17 (por duas vezes), o jogador português do Squash Club Pétange alcançou o seu primeiro título de sub-19, que considerou “merecido”. 
“Estou feliz por ter consquistado mais um título nacional. Além de enriquecer o palmarés, é fruto do meu trabalho e empenhamento na modalidade ao longo de vários anos”, diz Miguel, enaltecendo o trabalho do seu treinador. “Não posso esquecer o meu treinador que tem sido muito importante na minha evolução como jogador. Devo-lhe muito pelas vitórias que tenho alcançado na modalidade. É muito exigente comigo, ajuda-me e dá-me conselhos importantes. Para se conquistarem títulos temos de saber ouvir e trabalhar com disciplina e rigor”, precisa. 
Miguel Tojal é um dos raros jogadores portugueses a praticar squash e uma das grandes referências da modalidade no Luxemburgo. Começou a praticá-la bem cedo, mas, como acontece muitas vezes com portugueses no desporto, também teve uma passagem pelo futebol: “Iniciei-me no futebol aos seis anos, mas, como era alérgico à relva, desisti. Depois, achei o squash muito engraçado e foi como o amor à primeira vista – nunca mais deixei”, afirma com um sorriso o jogador que continua a somar títulos no squash grão-ducal. 


“Além de ter disputado o título de sub-19, participei também na categoria sénior, mas terminei no 5° lugar porque fui eliminado pelo campeão nacional. Se tivesse defrontado outro adversário, talvez fosse capaz de também terminar no pódio dos seniores. De qualquer forma, sinto-me satisfeito com as classificações que obtive”, resume. 
Aluno do Sportlycée – liceu frequentado pelos desportistas de elite – na capital, Miguel é também internacional pelo Grão-Ducado. Treina-se cinco a seis vezes por semana, algo que considera fundamental: “O squash é um desporto muito exigente físicamente, requer grande concentração e muito treino também. Por isso, não posso descuidar-me em nada”, enfatiza. 
Preparar campeonato em Lisboa 
Depois de mais um título conquistado, Miguel já prepara a sua próxima competição, em França, de 21 a 24 de fevereiro, no French Junior Open que se disputa na cidade de Lille. 


“É uma competição onde vão estar alguns dos melhores jogadores europeus. O meu principal objetivo é conseguir terminar no top-10. Sei que não vai ser fácil, mas estar entre os melhores a nível internacional é outra das minhas grandes ambições”, vinca o jogador. 
“Neste momento encontro-me no top-30 europeu e tenho a ambição de chegar mais longe. É bom ser campeão no Luxemburgo, mas quero aproximar-me dos melhores a nível internacional”, sublinha. 
Outra das provas internacionais em que o jogador espera participar ao serviço da seleção grã-ducal é o European Team Championships que se disputa no mês de abril, em Lisboa. 
“É uma prova de enorme qualidade na Europa e com muito prestígio. Os melhores de cada país vão estar lá e não quero perder a oportunidade de os defrontar. É uma experiência que marca a carreira de qualquer jogador. Quero estar em grande forma para poder corresponder às exigências da competição”, conclui.

Álvaro Cruz in Contacto edição em português


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here